quarta-feira, 3 de setembro de 2008

LIVRO DIDÁTICO

Dia 28 analisamos alguns livros didáticos. Fizemos três grupos e cada um ficou com um livro. Havia um livro de sexta série, um de oitava e o nosso de ensino médio. O livro que avaliamos foi levado por mim. Ele é volume único da Editora do Brasil. Seus autores são Harry Vieira Lopes, Jeosafá Fernandes Gonçalves, Simone Gonçalves da Silva e Zuleika de Felice Murrie. Gosto muito desse livro. Ele é diferente de tudo que já vi. Não há nele a divisão tão comum nos demais: gramática, literatura e redação. Ele é dividido por temas, os quais são abordados em profundidade. Por exemplo, há um capítulo intitulado QUEBRE A PERNA, VAMOS AO TEATRO, nele os autores apresentam a história do teatro e sua evolução ao longo dos séculos, sua função social, autores no mundo e no Brasil, tanto contemporâneos como antigos. Há uma gama de gêneros textuais que vai dos mais explorados nos livros didáticos como crônicas, contos, novelas e romances como os pouco estudados como leis, projetos de pesquisa e outros. A intertextualidade está presente todo o tempo, a construção da obra propicia isso. A gramática é totalmente contextualizada. Por exemplo, o capítulo dedicado ao estudo da carta traz o uso dos pronomes de tratamento. No final de cada capítulo, há sugestões de obras e músicas relacionadas ao tema. O livro é bastante ilustrado, o que o torna atraente. Os exercícios são totalmente inovadores, levam à reflexão. O único pecado da obra é ser muito grande e pesado. Talvez se fosse dividido em duas ou três obras seria perfeito. Parabéns aos autores.

3 comentários:

Professora Tamar Rabelo disse...

na quinta vimos o filme Desmundo e nessa iremos fazer um debate sobre vários aspectos do filme, inclusive iniciaremos o fascículo 6 sobre as mudanças linguísticas. Leia o fascículo que vc estará por dentro na outra quinta, quando voltar. abraço. Tamar

Jeosafá disse...

Por acaso, vim parar em seu blog. Sou Jeosafá, um dos autores do livro da Editora do Brasil que você analisou. Além de autor da Editora, trabalho atualmenete na Secretaria de Estado da Educação de São Paulo. Teria prazer em, eventualmente, participar das discussões que você estimula. Se tiver interesse, dê uma olhada em meu blog: amplexosdojeosafa.blogspot.com.

Jeosafá disse...

Olá, Liliane Jaqueline (você prefere ser chamada pelos dois nomes, pelo primeiro ou pelo segundo?): Vejo que você, como eu, foi vendedora de livros. Na década de 80, trabalhei em uma livraria especializada em artes pláticas e arquitetura. Ia com duas valises pesadíssimas mostrar os meus Willian Turner, Miró etc. para a granfinada satisfeita. Os próprios livros eram verdadeiras obras de arte. Bem quanto ao volume de Português, foi uma exigência do MEC para participar do PNLEM - se não fosse volume único, nem poderia participar da qualificação. Concordo com você que 3 volumes seria o ideal. Mas, antes, o livro saiu em fascículos (se você procurar por meu nome completo no google, no link "imagens", você vai ver a capa dos 58 fascículos (o livro tem apenas 30 e já é aquela lista telefônica de que você justamente reclama). Escrevi umas coisitas pela editora Plêiade (www.editorapleiade.com.br). Poemas, contos e literatura infantil. No site da editora há uns textos meus, também. Mas, me diga como são suas aulas - minha luta é contra a chatice e o autoritarismo que campeia na educação, principalmente em sala de aula: aulas-porre, aulas-um-olhando-pra-nuca-do-outro, aulas-professor-falando-o-tempo-todo, sem dar voz aos alunos. Meu Deus do céu, como nossas crianças têm saúde para agüentar tanto tempo dentro de escolas porre? Desculpa se exagerei. Mas, fora! fora! fora! a escola porre e os professores acomodados a ela. Viva a escola que ousa a liberdade e os verdadeiros educadores que remam contra a maré da mediocridade satisfeita!

Amplexos do
JEOSA